WhatsApp%2520Image%25202021-03-08%2520at%252018_edited.jpg

Pedro Gameiro é especialista e Mestre em Nutrição e Membro Efectivo Ordem dos Nutricionistas (3665N). É também Licenciado em Ciências do Desporto e Personal Trainer, Cédula PROCAFD Nº 24024. "Reeducação alimentar e pessoas mais ativas são o melhor fármaco para uma saúde sustentável. Mudança de hábitos em qualquer ponto do globo."

Ovo: Bicho papão ou aliado?

Devido à sua quantidade em colesterol, durante muitos anos, o ovo foi visto como que um gatilho para as doenças cardiovasculares, fazendo com que o seu consumo diário fosse totalmente desaconselhado. Contudo, hoje em dia, o paradigma relativamente ao consumo de ovos parece estar a mudar, deixando inclusive de ser alvo de restrição pela American Heart Association em 2015.


Com um aporte calórico a rondar as 70 e 80 kcal/ovo médio, os ovos são uma boa fonte de proteínas de alto valor biológico, vitaminas lipossolúveis e vitaminas do complexo B, minerais e colina. Recorde-se que a colina desempenha um papel importante no desenvolvimento cerebral fetal e neonatal e uma ingestão inadequada durante a gravidez poderá aumenta o risco de defeitos do tubo neural. Estudos recentes também mostraram que a alta ingestão de colina está associada à redução da incidência e mortalidade do cancro da mama.

Composição do Ovo

Clara (+/- 57%): principalmente constituída por água e proteína, principalmente ovoalbumina

Gema (+/- 31%): tem maior valor calórico, contém proteína e gordura. Contém praticamente todas as vitaminas, exceto vitamina C

Casca (+/- 12%): riquíssima em carbonato de cálcio

Poder antioxidante do Ovo

Além de fosfolípidos e colesterol, as gemas de ovo contêm vários carotenóides antioxidantes, nomeadamente luteína e zeaxantina, que podem ter implicações importantes para a fisiopatologia de inúmeras doenças crónicas e respostas imunes a lesões agudas.

Modo de confeção

O modo de confeção pode afetar a biodisponibilidade geral da proteína do ovo. Quando comparada a biodisponibilidade das proteínas do ovo cozido e em crú, esta é cerca de 91% e 51%, respetivamente.

Desde que sejam confecionados sem qualquer tipo de gordura associada, o ovo é um alimento sempre a ter em conta num estilo de vida saudável.

Apesar de ser um alimento que ainda não reúne consenso na comunidade científica, os dados mais recentes não demonstram efeitos negativos do seu consumo nos níveis de colesterol total circulante, podendo até aumentar os níveis de HDL (comummente conhecido pelo “colesterol bom”).

Com isto não quero dizer que o consumo de ovos deve ser sem medida. Sejamos frugais e, até ver, continuo com os meus dois ovos matinais.

(Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, Tabela de composição de Alimentos, 2006)






Posts recentes

Ver tudo